Pintura mostra gregos antigos jogando kottabos em um simpósio
Pintura mostra gregos antigos jogando kottabos em um simpósio
O jogo que chamavam de ‘kottabos’ embalava as farras memoráveis dos antigos helenos

Imagine um irreverente encontro de membros da elite grega há mais de dois milênios, regado a muito vinho e palco de enérgicas discussões filosóficas e de inspiradas recitações de poemas. A tais encontros, dos quais apenas os homens podiam desfrutar, os antigos helenos davam o nome de simpósio, termo que continua sendo usado nos círculos acadêmicos para definir reuniões intelectuais – só que com bem menos álcool e bem menos diversão. Para estimular ainda mais o clima festivo no andron (ala masculina das casas), participavam do evento dançarinas, flautistas e cortesãs. Entre umas e outras, os homens brincavam de um jogo chamado kottabos, onde quem saía vencedor recebia prêmios como comidas e outros presentes ou favores.

Vino Emporium  Ao contrário da conhecida “sueca” dos dias atuais, jogada com cartas de baralho que determinam quem bebe em cada rodada, o drinking game da Grécia Antiga era um pouco diferente. De acordo com textos e obras de arte da época, existiam duas versões de kottabos: em uma delas, os participantes organizavam vários sofás em torno de um suporte de metal, e no topo dele equilibravam um disco. O objetivo, basicamente, era que cada um tentasse derrubar o disco atirando o último gole de vinho que tinha no copo. Na outra versão, a única diferença era o alvo – ao invés do suporte de metal e do disco, os homens miravam em pequenas louças flutuando numa bacia de água, e a meta era fazer com que afundassem.

O recipiente que os gregos usavam não era propriamente um copo, mas sim um kylix (termo que deu origem à palavra ‘cálice’), que era uma espécie de taça de cerâmica rasa com duas alças. Para fazer o arremesso, os rapazes enfiavam o indicador em uma das alças e então projetavam o líquido para frente, como se pode ver na imagem. Até os kylixes eram estilizados de forma irreverente: muitas vezes o fundo continha imagens sexuais ou cômicas para entreter o bebedor na medida em que o vinho ia acabando; a parte de trás podia ter olhos estampados e funcionar como uma espécie de máscara, garantindo boas risadas aos demais companheiros de noitada.

“Devia ser uma verdadeira bagunça”, disse ao site LiveScience a professora de história da arte Heather Sharpe. Ela recriou um simpósio com sua turma da Universidade West Chester, nos EUA, utilizando suco de uva. “Em um cenário de simpósio típico, em um andron, você teria sofás arranjados em praticamente todos os quatro cantos do ambiente, e se errasse o alvo, provavelmente iria acertar em cheio um camarada simposista no caminho”, contou. Então, se você está pensando em juntar os amigos e tentar algo parecido, não se esqueçam: diferentemente dos antigos helenos, não temos mais escravos para limpar a sujeira – graças aos deuses – e vai sobrar tudo pra vocês. “Imagine só, ao final de um simpósio você estaria encharcado de vinho, e seus companheiros estariam ensopados também”.


Vino Emporium  Um grupo italiano recriou o kottabos da Grécia Antiga. Assista:





Fonte: Galileu (http://revistagalileu.globo.com/Sociedade/Comportamento/noticia/2015/01/aprenda-como-era-sueca-que-os-gregos-jogavam-ha-mais-de-2-mil-anos.html)
Por André Jorge de Oliveira

Comentários