Brasil - um país de proporções continentais

Bem-vindo(a) ao Domingo no Vino, onde apresentamos nossas percepções sobre o mundo vinícola, em textos descontraídos e escritos de forma que todos possam entender e participar conosco.

Hoje vamos bater um papinho sobre as diferentes regiões produtoras de vinho no Brasil?

Eu particularmente gosto muito do vinho brasileiro, e poder provar vinhos de cada uma de nossas regiões é muito interessante e revelador.

Por exemplo, quando você poderia imaginar que no nordeste brasileiro (mais especificadamente no sudoeste de Pernambuco e centro-norte da Bahia) – local de alta temperatura e insolação, com chuvas mais concentradas entre janeiro e início de abril – seria possível termos produção de vinhos? Pois é. O brasileiro mais uma vez colocou seus conhecimentos e teimosia à prova e conseguiu!

Quando falamos em produção de vinho no Brasil logo nos vem à cabeça o Rio Grande do Sul, pela tradição e pelas condições climáticas e de solo perfeitas para o plantio de castas viníferas. Tanto que é a região de maior produção de vinhos finos do Brasil. Mas hoje já temos produção de vinhos também em Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Minas Gerais e na região nordeste. E o “pulo do gato” foi conseguir identificar o tipo de casta que se adapta melhor em cada localidade.

Podemos citar rapidamente, me perdoem se eu for enganado pela memória, os tipos de uvas mais adaptadas em cada região:

  • Rio Grande do Sul: hoje composto pelas regiões Campos de Cima da Serra, Campanha Gaúcha, Serra Gaúcha e Serra do Sudeste. As uvas cultivadas nestas regiões são:  Arinarnoa, Cabernet Sauvignon, Chardonnay, Gewürztraminer, Marselan, Merlot, Nebbiolo, Pinot Noir, Sauvignon Blanc, Tannat, Tempranillo, Teroldego, Viognier, entre outras.
  • Santa Catarina: Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc, Chardonnay, Malbec, Merlot, Sangiovese, Sauvignon Blanc, Syrah, Tannat e Montepulciano.
  • Paraná: Cabernet Sauvignon, Chardonnay, Merlot, Negro Amaro, Sangiovese, Sauvignon Blanc e Tempranillo etc.
  • São Paulo: com sua produção voltada a vinhos de mesa, com as uvas Niágara Branca, Niágara Rosada, Isabel e Bordô.
  • Minas Gerais: Jacques, Bordô, Niágara Branca e Syrah (do cerrado).
  • Nordeste: as principais são Chenin Blanc, Moscatel, Petit Verdot, Syrah e Touriga Nacional.

Os vinhos mineiros ainda estão “nascendo”, onde a produção é consumida localmente, pois não é feito em grande escala. Mas o resultado é bastante promissor e já ouvi bons rumores vindos de lá.

Enfim, em cada uma de nossas regiões produtoras temos gente se empenhando, testando, estudando e colhendo ótimos resultados em forma líquida.

Agora, qual é o melhor vinho de cada região? Aí eu deixo a resposta para você, pois vai de acordo com o gosto de cada um. Mas uma coisa é certa: para tomar esta decisão, é preciso provar cada um.

Boas degustações pra você!

 

Cristiano Janjacomo
Vino Emporium


Comentários