O vinho e a crise brasileira. E agora!?

Olá!

Bem-vindo (a) a mais um post do Domingo no Vino. E o bate papo de hoje, como não poderia deixar de ser, é a posição do vinho dentro da crise vivida pelo Brasil. E eu gostaria muito de saber sua opinião ao final da leitura deste post. Ok?

Como já sabemos o governo vai aumentar diversos impostos, e dentre eles, o do vinho – tanto do nacional, como do importado. Isso já foi motivo de um post publicado aqui no Vino (veja o post).

Até aqui ok. Mas minha intenção é fazer algumas indagações para você amigo (a) que está lendo este texto, e se chegou até aqui, gosta de vinhos tanto quanto eu – imagino. Eu quero colocar algumas caraminholas no ar para refletirmos a situação do vinho brasileiro em meio a esta crise, passando por todas as pessoas envolvidas neste processo e o nosso próximo passo.

Que a crise que estamos atravessando hoje é uma das piores que já tivemos, é fato. Não sei se você é a favor ou contra o governo que aí está e sua política, mas também não é este o assunto que quero discutir hoje. Então você para e me pergunta: “Ok, Cristiano. Então afinal de contas, aonde você está querendo chegar? ”.

Vamos direto ao ponto: estou pensando em todas as pessoas envolvidas no processo do vinho, no trabalhão que esse povo tem e o que eles vão passar daqui para a frente está intrinsecamente ligado ao modo que vamos agir. Sim, porque com o aumento do imposto, o valor final do vinho também vai aumentar e por mais que muitos digam que vão continuar tomando vinho como sempre fizeram, com máxima certeza a frequência deverá ser menor. Menos vendas significa queda de lucro, e isso leva a cortes que vão desde o campo até as lojas, supermercados e por aí vai.

Não sei sua opinião e por isso que quero te ouvir também, mas eu sou brasileiro e tenho muito orgulho disso. E neste momento complicado a que chegamos, tenho a visão de primeiro ajudar as nossas empresas, nos unindo para juntos conseguirmos atravessar este momento nebuloso.

Muitos vão falar que o preço do vinho nacional não condiz com a realidade do produto oferecido. Será mesmo? Não seria a hora de provarmos rótulos diferentes? Vinícolas diferentes?  Embora eu não seja sommelier, expert em vinhos e nada do tipo – sou tão somente um apreciador desta bebida, já provei muito vinho de qualidade fabricado aqui mesmo.

E como eu e você podemos ajudar?

“Elementar, meu caro Watson”: ampliando o consumo do vinho brasileiro. Por exemplo: se você tem 30% de nacionais e 70% de importados em sua adega, tente mudar esta relação para 50% a 50%. Se você já tem 50% de cada, experimente ampliar para 70% de nacionais.

Antes que digam que este post é encomendado, já aviso: o Vino Emporium não vende posts e não temos qualquer vínculo com produtores e lojas (nem nacionais e muito menos, internacionais). Ou seja, não ganhamos nada para defender o vinho nacional e minha preocupação única é com o trabalhador (que poderá perder o emprego!) e nas empresas brasileiras – como empresário eu não posso me acomodar com o que está acontecendo com nosso país. Se o momento é de ajuda mútua, vamos fazer o dever de casa.

E a indústria brasileira, claro, também tem que ajudar e fazer a parte dela: parcerias e promoções para tentar reduzirem ao máximo o impacto deste novo imposto frente ao consumidor brasileiro. Se quiserem fortalecer o vinho nacional, agora é a hora, e precisamos de ações concretas para essa finalidade. É momento de atitude!

A união não faz apenas o açúcar (rsss... doeu na alma essa piada antiga, mas saiu...). Faz um país melhor também e sair desta crise com o menor efeito colateral possível é o que nós – brasileiros – merecemos e queremos.

Agradeço a sua atenção por ter lido este post, é quase que um desabafo contra o buraco em que nos encontramos hoje. Não esqueça de deixar seu comentário, sua opinião, pois ela é muito importante para nós do Vino Emporium.

Até a próxima!

 

Cristiano Janjacomo
Vino Emporium


Comentários