O enigma da harmonização

Aprenda a combinar vários tipos de comida com vinhos e acerte a temperatura da bebida

A obsessão por combinar vinhos e comida tomou conta de especialistas e curiosos em descobrir novos aromas e sabores, o que leva a muitos devaneios numa degustação. Mas as autoridades no assunto definem os resultados diante de suas experiências e você pode fazer o mesmo: experimentar.

Para não errar, use regras básicas. Espumantes para receber os convidados; brancos e rosés com entradas, saladas e peixes. Tintos leves com carnes brancas assadas, e tintos de médio corpo e encorpados com receitas untuosas e carnes vermelhas. Se quiser ser versátil, vá de vinhos tintos com pouca ou nenhuma passagem por carvalho. Os brancos doces acompanham sobremesas à base de frutos brancos, amarelos e cítricos. Use os tintos doces com as que levarem frutos vermelhos cozidos e suas caldas. No caso de doces de chocolate, vá de vinho do Porto Tawny, Madeira 5 anos, Jerez Cream.

Um menu mais ousado exige atenção nos ingredientes. Amargos acentuam a acidez do vinho, e a doçura nas receitas irá diminuir os sabores ácidos encontrados em alguns espumantes e brancos (todo vinho deve ter acidez, pois resulta em frescor e vivacidade). O ato inocente de untar o pão de azeite e salpicar sal acentuará os taninos do tinto, deixando um sabor amargo. Caso tenha o hábito de salgar os alimentos, intercale um gole de água com o vinho. Pratos untuosos amenizam a adstringência e fazem boa parceria com vinhos potentes, com passagem de mais de 12 meses em carvalho. Aspargos, cogumelos e sardinhas, em parceria com vinho tinto, resultam em um desagradável sabor metálico, por terem alto teor de minerais. A opção são os brancos sem carvalho e espumantes.

A temperatura de serviço muda tudo. Se você gelar demais os espumantes, brancos e rosés, perderá a sensibilidade dos aromas. O ideal é colocar o vinho em um recipiente de modo que a garrafa fique na horizontal, cobrir de água e gelo e deixar por até 20 minutos. No caso dos tintos com passagem em carvalho, resfriar demais gera um sabor amargo. Para que ele chegue à temperatura de 18°C, coloque a garrafa deitada em um recipiente apenas com água fria. Ao associar receitas deliciosas com indicações e temperatura ideal, você tem a chave do enigma para viver os prazeres da boa mesa.


Fonte: Revista Casa e Jardim (http://vinhos.me/ZST8U)
Por Eliana Araujo. Foto: Divulgação


Comentários