Na contramão da crise, vendas de espumantes batem a dos vinhos

Produtos brasileiros receberam mais de 1.700 prêmios nos últimos anos, mas especialistas alertam que medalhas não são único parâmetro de qualidade

Na contramão da crise, vendas de espumantes batem a dos vinhos  O espumante nacional, bebida que se diferencia dos vinhos por ser elaborado a partir de duas fermentações alcoólicas que conferem a ele borbulhas naturais, as famosas “bolinhas”, tem motivos de sobra para festejar. A começar pelo bom desempenho comercial: de janeiro a junho, as vendas do espumante nacional superaram as do vinho tanto no mercado interno quanto no externo.

Dentro do país, a venda de espumantes atingiu 4,3 milhões de litros no primeiro semestre, um crescimento de quase 10% frente a igual período de 2017. A comercialização de vinhos totalizou 88,4 milhões de litros, uma retração de quase 1%. As exportações cresceram 61,21% em volume e 29,23% em valores. No caso dos vinhos, houve um avanço de 37,44% e 33,60%, respectivamente.

Na contramão da crise, vendas de espumantes batem a dos vinhos  Uma das principais ações do setor para ampliar as vendas no país tem sido desmistificar a ideia de que o consumo da bebida deva ocorrer apenas em ocasiões festivas, como o fim do ano. “Cada vez mais, o espumante tem ocupado um espaço maior no cotidiano das pessoas uma vez que é uma bebida que combina com o clima do Brasil e com o comportamento mais descontraído do brasileiro”, diz Maurício Salton, presidente da Vinícola Salton.

Um sinal de que a bebida se popularizou é que agora ela pode ser encontrada o ano todo no varejo, até mesmo em lojas de vizinhança e de conveniência, o que não ocorria antigamente quando as garrafas estavam presentes apenas perto do Natal e Réveillon. “Trata-se de uma bebida com capacidade para atrair novos consumidores, como a chamada geração Y”, avalia o presidente do Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), Oscar Ló.

Na contramão da crise, vendas de espumantes batem a dos vinhos  Para Salton, a maior aceitação do espumante pelos consumidores brasileiros também demonstra que a bebida, ao contrário do vinho nacional, não carrega o estigma ter qualidade inferior em relação aos rótulos importados.

Atualmente, as exportações têm pequena participação nas vendas totais da categoria, mas são importantes para consolidar a qualidade do produto tanto lá fora quanto aqui dentro. Proveniente de um diferenciado terroir – ambiente natural de uma região produtora que garante à bebida uma especificidade única – na avaliação de especialistas e fabricantes, o “líquido borbulhante” brasileiro alcançou uma qualidade sensorial que o faz disputar em pé de igualdade a preferência de consumidores daqui e do exterior frente a outros tipos de espumantes como astis, cavas, proseccos, sekts e até mesmo champanhes.

Na contramão da crise, vendas de espumantes batem a dos vinhos
 
Nem tudo que borbulha é espumante
Saiba como diferenciar cada bebida
 
Espumante
Vinho resultante de duas fermentações alcoólicas responsáveis pelas borbulhas naturais.
 
Divide-se ainda nos tipos:
Tipo Açúcar/Litro
BRUT 6g a 15g
DEMI-SEC 20g a 60g
DOCE +60

 

Cava
É o espumante espanhol produzido pelo método Tradicional ou Champenoise. A maioria é produzida na região da Catalunha, com as uvas Xarello, Parellada e Macabeo.
 
Champanhe
É o espumante francês produzido exclusivamente na região que hoje dá nome à bebida, mundialmente reconhecida pela qualidade.
 
Prosecco
É o espumante produzido a partir da uva Prosecco ou Glera. Na Itália é o nome da região produtora. Vale destacar que há proseccos tanto do tipo brut quanto demi-sec.
 
Sekt
É o espumante produzido na Alemanha.
 
Moscatel
É obtido por meio de uma única fermentação das uvas da família moscatel dentro de uma autoclave.
 
Asti
É o espumante moscatel elaborado na região do Piemonte, na Itália. Trata-se de uma Denominação de Origem Controlada (DOC). Somente os espumantes fabricados em Piemonte podem trazer essa informação em seus rótulos.
 
Fonte: IBRAVIN
 
“Por mais que as pessoas comparem produtos de terroirs diferentes, não é correto. Champanhe é um produto mais maduro e muito mais caro. Cava não é fresco como o brasileiro. Prosecco é um líquido sem longevidade devido à leve estrutura. O espumante brasileiro é um rótulo muito fresco, com a cara do Brasil. Não existem produtos similares produzidos pelo mundo”, afirma o presidente da Associação Brasileira de Enologia (ABE), Edegar Scortegagna.

O diretor da Associação Brasileira de Sommeliers de São Paulo (ABS-SP), Guilherme Velloso, explica que cada bebida é única por estar ligada a uma região de origem diferente. “Uma mesma uva se expressa de forma diferente devido ao terroir, que é o fator que confere à identidade do vinho seja ele tranquilo ou espumante. Isso significa que o espumante nacional tem uma personalidade própria que está sendo descoberta e apreciada pelas pessoas que consomem esse tipo de bebida.”

Para o presidente da Vinícola Salton, Maurício Salton, o terroir da Serra Gaúcha possui características como altitude e maior precipitação. O solo é mais pedregoso o que permite uma maior drenagem dos vinhedos. “As uvas brancas que compõem a bebida tiveram uma aclimatação excelente o que resulta em uma maior consistência entre as safras. Já o Chile e a Argentina possuem clima mais seco e quente, o que faz com que a bebida perca frescor e acidez.”

Segundo especialistas e fabricantes, além das particularidades do terroir, pesam no desempenho do espumante nacional fatores como condições de manejo da produção, investimentos em tecnologia e ações de marketing para promover o consumo dentro e fora do país.

Na contramão da crise, vendas de espumantes batem a dos vinhos  As principais áreas de produção de espumantes são a Serra Gaúcha, a Campanha Gaúcha, a Serra do Sudeste e os Campos de Cima de Serra – todos localizados no Rio Grande do Sul. As outras regiões são o Planalto Catarinense e o Vale do São Francisco (entre os estados da Bahia e Pernambuco).

A safra das variedades utilizadas para a elaboração de espumantes no Rio Grande do Sul costuma ser iniciada no fim de dezembro, dependendo das condições climáticas ao longo do ano, e se estende até fevereiro, de acordo com as áreas de produção. No Nordeste é possível colher essas variedades em qualquer período, já que na região ocorrem 2,5 safras por ano.

Na contramão da crise, vendas de espumantes batem a dos vinhos  Os métodos de fabricação de espumantes usados no Brasil são o Charmat (com a segunda fermentação em tanque) e o método tradicional ou Champenoise (com a segunda fermentação na própria garrafa). No caso de espumantes moscatéis é realizada uma única fermentação dentro de um grande recipiente (autoclave) que conserva a presença do anidrido carbônico, responsável pelas borbulhas naturais, seja eliminado. Ele também é conhecido por ser elaborado pelo método Asti, criado na região piemontesa de mesmo nome, na Itália.

Certificações de origem
Outra variável que pode colaborar para consolidar a qualidade do espumante nacional é a busca por certificação de origem, uma espécie de assinatura que atesta a qualidade de cada terroir de nosso país.

O reconhecimento de Indicações Geográficas (IG) de vinhos brasileiros tem por objetivo valorizar produtos tradicionais de determinados territórios, possibilitando a proteção da região produtora e garantindo aos consumidores vinhos diferenciados, atendendo a requisitos específicos de produção. Cada indicação está vinculada a uma associação de produtores que atua na sua gestão, incluindo o controle, a proteção e a promoção.

No Rio Grande do Sul, a Associação dos Produtores de Vinhos Finos da Campanha Gaúcha deverá receber neste ano o reconhecimento de indicação geográfica para a zona produtora que abrange a fronteira do Brasil com o Uruguai. Em outro extremo do Brasil, os produtores ligados ao Instituto do Vinho Vale do São Francisco (VinhoVasf) buscam a certificação para o Vale do Submédio São Francisco. Conforme novas regiões vinícolas vão se desenvolvendo no país, são esperados mais pedidos de indicação geográfica.

No Brasil, existem duas modalidades de Indicações Geográficas: a Indicação de Procedência (IP) e a Denominação de Origem (DO). A IP se aplica às regiões que se tornaram reconhecidas na produção de vinhos. Já na DO, os vinhos apresentam qualidades ou características que se devem essencialmente ao meio geográfico, incluídos os fatores naturais e humanos.

Pioneiro na busca por regras de certificação, o Vale dos Vinhedos foi a primeira zona produtora a receber a denominação de origem para vinhos no Brasil. A conquista ocorreu em 2012, exatos dez anos após a região alcançar o status de indicação de procedência, pré-requisito exigido pelo INPI para a concessão da denominação de origem.

Premiações
Os espumantes brasileiros conquistaram quase 1,7 mil medalhas só nos últimos dez anos, segundo o Ibravin. Mas as medalhas sozinhas não são o único parâmetro de qualidade, já que muitos produtos não enviam seus espumantes para as competições.

“O que não podemos esquecer é que os produtos enviados para degustação representam a minoria vendida no Brasil. Existem muitos vinhos e espumantes de qualidade igual ou até superior aos premiados. O que ocorre é que nem todas vinícolas enviam amostras para o concurso pelo custo ou por filosofia”, ressalta Scortegagna, da ABE.

O próprio Ibravin pondera que nem todas as empresas têm recursos disponíveis para realizar a inscrição nos concursos e degustações – em especial as de menor porte –, e muitas delas produzem ótimos produtos.

Para o diretor da ABS-SP, Guilherme Velloso, os concursos funcionam mais como divulgação e têm pouca importância para quem é conhecedor do produto. “A participação é válida como forma de comparação, mas não é isso que, de fato, irá determinar a qualidade final devido à grande quantidade de concursos e premiações que possuem critérios de avaliação às vezes não muito rigorosos. Mas como estratégia de marketing para consolidação de marca, a premiação tem sua importância.”
 

Outras bebidas que podem ou não conter gás
 
Bebida alcoólica mista
Como o próprio nome diz é uma mistura de bebidas. Reúne bebidas como cooler, sangria e variados coquetéis. Pode ou não ser gaseificada, adoçada e aditivada com corantes e aromatizantes.
 
Filtrado doce
Não é considerado vinho porque é proveniente do mosto de uva, ou seja, do suco parcialmente fermentado ou não. Pode ser adicionado ao vinho de mesa. A presença das “bolinhas” pode se dar por meio da adição de anidrido carbônico. Possui baixo teor alcoólico.
 
Sidra
Não é espumante, nem vinho porque é feita a partir da fermentação da maçã e não da uva. Ao contrário do espumante, ela é proveniente de uma única fermentação. Pode conter ou não álcool ou ser gaseificada.
 
Vinho frisante
É um vinho pouco gaseificado. O gás pode ser natural proveniente da própria fermentação ou adicionado ao vinho depois de pronto. As “bolinhas” naturais geralmente são mais finas e delicadas que as artificiais. O fabricante deve informar isso no rótulo.
 
Fonte: IBRAVIN
 
Na contramão da crise, vendas de espumantes batem a dos vinhos  Dica do Vino: Aproveite para explorar nosso Banco de Dados sobre os diferentes tipos de vinhos!
 

Fonte: Veja (http://vinho.one/5Mbny)
Por Giseli Cabrini. Fotos: Vino Emporium/Arquivo


Comentários