Beber vinho ou cerveja de forma moderada reduz risco de infarto ou derrame

Aqueles que consomem álcool têm menos riscos de doenças do coração do que os que não bebem

  Para os amantes de uma taça de vinho ou uma cerveja, uma boa notícia: consumir álcool moderadamente diminui os riscos de ter um infarto ou um derrame. É o que concluiu um estudo com 1,9 milhão de adultos feito pela Universidade de Cambridge. Uma taça de vinho ou uma de cerveja, tem efeitos positivos na redução das chances de ter algum desses problemas.

Para homens e mulheres que bebem de forma regular, mas moderada – até 14 unidades de bebida alcoólica por semana, sendo que uma unidade é uma taça de vinho ou copo de cerveja – as chances de sofrer problemas de coração comuns são menores do que para aqueles que não bebem álcool. Porém, adultos que excedem o limite saudável do consumo de bebidas têm mais chances de desenvolver esse tipo de complicação.

O que a ciência diz sobre a crença de que o vinho tinto faz bem à saúde

Os pesquisadores da Universidade de Cambridge consideram que consumidores moderados de álcool podem aumentar os níveis de bom colesterol no sangue, o que pode proteger o coração de doenças como infartos e derrames.

A pesquisa foi realizada com homens e mulheres acima dos 30 anos. Foram analisados os hábitos de consumo de bebidas deles durante cinco anos e observou-se se houve alguma condição do coração nos próximos seis anos.

Os resultados, publicados no Jornal Médico Britânico, mostraram que os adultos que não consumiam álcool tinham 32% mais chances de ter um infarto do que os consumidores moderados. Os números para doença arterial coronariana foram 56%. Enquanto isso, constatou-se que o consumo de álcool em excesso aumenta em 22% as chances de parada cardíaca.

Porém, os responsáveis pelo artigo alertam: essa quantidade de álcool pode proteger contra doenças do coração, mas pode aumentar os riscos de câncer e doenças no fígado. Um dos autores, Stephen Bell, falou que há formas mais seguras de reduzir o risco de doenças cardiovasculares do que aumentar o consumo de bebidas com álcool.

Fonte: R7 (http://vinho.one/5wMsj)
Foto: Divulgação


Comentários