Foto: Filippo Monteforte/AFP
Foto: Filippo Monteforte/AFP
Caixas de compensado esconderam estátuas nuas em museu de Roma (Foto: Giuseppe Lami/ANSA via AP)
Caixas de compensado esconderam estátuas nuas em museu de Roma (Foto: Giuseppe Lami/ANSA via AP)
O presidente do Irã Hassan Rohani e o primeiro ministro da Itália Matteo Renzi, em Roma
O presidente do Irã Hassan Rohani e o primeiro ministro da Itália Matteo Renzi, em Roma
Foto: Andrew Medichini/AFP
Foto: Andrew Medichini/AFP

O desejo da Itália de agradar o presidente do Irã, Hassan Rouhani, durante sua visita a Roma levou as autoridades do país a cobrirem as estátuas nuas dos Museus Capitolinos, onde o chefe de governo iraniano se encontrou com o premier italiano, Matteo Renzi

Na última segunda-feira, os dois líderes participaram de uma reunião em um dos prédios do famoso complexo romano, que resultou na assinatura de uma série de acordos bilaterais avaliados em 17 bilhões de euros.

  Num encontro tão importante como esse, que marca a volta do Irã ao mercado internacional após o fim das sanções que afetaram profundamente a economia do país nos últimos anos, os anfitriões acharam que não valia a pena expor o convidado ilustre a uma situação desconfortável, levando em conta sua cultura e religião. No entanto, a decisão de esconder obras de arte tão famosas e ricas, como o principal exemplar da Vênus Capitolina, por exemplo, não foi bem recebida por todos. 

"Você não pode esconder a sua cultura, a sua religião ou história. Foi uma decisão errada", declarou Giuliano Volpe, chefe do Conselho Superior de Herança Cultural do Ministério da Cultura da Itália. 

  De acordo com a mídia local, a mudança de rotina não se limitou ao episódio das esculturas, mas influenciou também outra prática bastante disseminada durante as grandes refeições no país. No almoço com Renzi e também com o presidente italiano, Sergio Mattarella, o vinho precisou ser abolido do menu, também para não causar constrangimento ao líder iraniano.

Nesta terça-feira, o presidente da República Islâmica se encontrou com o Papa Francisco, no Vaticano. Nessa reunião, que durou cerca de 40 minutos, segundo a imprensa italiana, o Pontífice pediu a Rouhani para cooperar com outros países do Oriente Médio na luta pela paz e contra o terrorismo na região.

Fonte: Sputnik (http://vinhos.me/R2BKX)
Foto 4: Divulgação


  Vino Emporium debate: o pedido de autoridades do governo iraniano à Itália de cobrir algumas esculturas de mulheres nuas que decoram a sede histórica da prefeitura de Roma  o Capitólio , seria um simples ato de hospitalidade ao líder iraniano ou, no fundo, uma negligência aos valores de sua própria cultura?
A Itália também optou em cortar do cardápio o vinho durante as refeições oficiais, porém a França, que também receberá o presidente Hassan Rouhani, se recusa a retirar a bebida do menu.
O Irã tem leis severas sobre o consumo de álcool.
  
Qual a sua opinião sobre a posição da Itália perante a situação?


Comentários