Foto: Fabiano Mazzotti/Divulgação
Foto: Fabiano Mazzotti/Divulgação
Foto: Eduardo Benini/Divulgação
Foto: Eduardo Benini/Divulgação

Sem o álcool, os sucos integrais são mais indicados para os hipertensos

Você com certeza já ouviu dizer que beber uma taça de vinho regularmente faz bem ao coração. Mas também já deve ter ouvido que a bebida deve ser consumida em temperatura ambiente. É que, apesar de estudos comprovarem os inúmeros benefícios das bebidas à base de uva, especialmente a tinta, mitos ainda podem confundir quem busca acertar.

  Um dos principais mitos é o de que quanto mais velho for o vinho, melhor. Segundo a sommelier da Salton, Mônica Coletti, essa história surgiu quando a bebida começou a se popularizar, e as classes mais elevadas da Itália começaram a cultuar a ideia de que os vinhos de safras anteriores seriam superiores.

“De forma geral, como os vinhos brancos e os espumantes não têm o tanino (composto que dá corpo ao vinho tinto, mas que também ajuda na conservação), a durabilidade é menor, e se recomenda o consumo em até três anos. Já os tintos, quanto mais tanino se extraiu no processo de elaboração, mais tempo duram. Hoje, os vinhos brasileiros devem durar em torno de dez anos, não mais do que isso”, afirma.

  Outra inverdade diz respeito à temperatura para o consumo. “Nós vivemos em um país com temperaturas elevadas, então, vinhos tintos devem ser consumidos entre 18°C e 20°C. Excedendo essa temperatura, pode se levar à geladeira, em torno de meia hora, ou colocar em um balde de gelo por 15 minutos. E os brancos e espumantes, sim, devem ser bebidos mais gelados”, explica.

  O que faz as bebidas derivadas de uva tinta saírem na frente em relação a outras opções é o resveratrol – poderoso antioxidante com a capacidade de regular a pressão arterial, reduzir o colesterol ruim, entre outros benefícios.

“A uva tinta é que detém esse composto na sua casca, por isso que não se ouve falar que o vinho branco ou rosado faz bem à saúde. O mesmo acontece com as bebidas destiladas, que não mantêm essa substância. Como o vinho tinto é feito em contato com sua casca, ele adquire esse poder medicinal”, explica Mônica.

Mas a sommelier também alerta para o papel de vilão ou herói que o álcool pode ter. “O álcool tem o poder de fixar esse composto no organismo de forma mais eficiente, só que, no caso das pessoas com restrições, como os hipertensos, elas podem fazer uso do suco integral e sem adição de água ou açúcar da mesma forma”, diz.

A repórter viajou para Bento Gonçalves a convite da Salton.
 

Para acertar

Certo: O vinho tinto pode trazer mais de cem benefícios para a saúde. O suco de uva também possui os mesmos benefícios. Tannat e Merlot são as uvas com mais resveratrol. Homens podem ingerir mais vinho do que as mulheres.

Errado: Quanto mais velho for o vinho, melhor. O vinho deve ser bebido em temperatura ambiente. Uma garrafa por semana supre as necessidades diárias. Antes de servir, é preciso deixar a garrafa “respirar”.

Fonte: Sommelier Mônica Coletti

 

Medida

Consumo. A Organização Mundial de Saúde recomenda, como dose saudável, dois cálices de vinho tinto por dia. No caso das mulheres, deve-se consumir um pouco menos, devido ao tamanho e ao menor peso corporal.



Fonte: O Tempo (http://vinhos.me/KM5lF)
Por Litza Mattos


Comentários