Vinhos jovens

De consumo rápido, esses vinhos são para serem bebidos em poucos anos a partir da sua safra. Podem ter um breve amadurecimento em barricas de carvalho ou tanques de aço inox, mas o que prevalece é a presença de muita fruta e o frescor no nariz. Na taça podem ser identificados pela cor, tendendo, na maioria das vezes, a tons esverdeado e amarelo claro, nos brancos, e vermelho rubi e violeta, nos tintos.

O clima do Cerrado é uma estação bem interessante, e quente. Nada melhor do que tomar espumantes, brancos e rosés refrescantes. E como ficam os apaixonados por tintos nessa estação? O vinho tinto é preferência de muitos.

Para que não bebamos tinto somente em lugares públicos, como em restaurantes com ar-condicionado durante o verão, o conselho são os vinhos tintos mais leves que se encaixam deliciosamente.

Em um churrasco à beira da piscina, para os que não gostam de cerveja, nada melhor do que um rosé ou um espumante bem gelado. Um Malbec argentino com 15% de álcool, muita madeira, fruta e intensidade, fortes e encorpados que viraram febre nos últimos anos têm seu espaço, mas não se destacam pelo frescor e muito menos pela leveza. Esses vinhos são mais indicados para um jantar, de preferência com o ar-condicionado ligado, caso seja nesses meses quentes. Em um almoço, se os anfitriões e os convidados preferirem um tinto, ele deve ser jovem, ter alegria, leveza e frescor. E é melhor que seja servido a temperaturas mais baixas que os 18º C, geralmente recomendados para um tinto.

Para a alegria dos amantes de tintos, há uma gama sem fim de vinhos indicados para temperaturas mais altas. São, de maneira geral, vinhos produzidos com uvas de potencial alcoólico mais baixo e sem madeira. Estes vinhos geralmente prestigiam mais a fruta e o frescor do que outras qualidades.

  Os vinhos noveau style são bem conhecidos por serem comercializados logo após a vinificação. Os mais famosos são os Beaujolais, produzidos a partir da uva Gamay, no sul da Borgonha. Os Beaujolais apresentam muitas variações.

Há desde o Beaujolais Noveau, tradição francesa sempre lançada na terceira quinta-feira de novembro, até os Crus de Beaujolais, como os Morgon ou Fleurie, sendo esses últimos enquadrados no grupo Vinhos Jovens com Taninos Leves.

Os vinhos italianos Barberas D’Asti têm seu espaço, principalmente no verão.

Muitos consumidores e adoradores de vinho costumam dizer que o vinho Estilo Noveau não é vinho. Os vinhos jovens são, sem dúvida, responsáveis pelo maior volume de vinhos produzidos no mundo. Normalmente são produzidos em altas quantidades e em recipientes de concreto, madeira ou aço inoxidável.

Para quem gosta de vinhos jovens, indico seis vinhos, de taninos mais leves, bom frescor, corpo médio, e, que além de tudo, podem ser refrigerados entre 14 e 15º C sem comprometer o paladar e suas características.

  Barefoot Pinot Noir – Leve e fresco, este pinot noir californiano é um vinho meio seco descompromissado, perfeito para ser bebido a qualquer momento, acompanhado por petiscos e um bom bate-papo.

  Danger Point Cabernet Merlot 2013 – Com aroma de frutas vermelhas e notas de especiarias, é um assemblage frutado e de médio corpo.

  Toro Loco Tempranillo 2013 – Ganhador da medalha de prata no International Wine & Spirit Competition, é um vinho gostoso de beber. Diferente dos tradicionais tintos espanhóis, tem taninos macios e muita presença de fruta.

  Canepa Novísimo Cabernet Sauvignon 2013 – Vinho jovem, frutado, com grande frescor e fácil de beber.

  Goulart C Clásico Malbec 2012 – Com aroma de frutas maduras, este tinto é elegante, frutado, com taninos maduros e final de boca persistente. Elaborado em Lunlunta, Luján de Cuyo, região de maior expressão da uva malbec.

  Lois Latour Beaujolais – Leve, frutado e fresco, este tinto é versátil e cativante, ideal para quem está iniciando no mundo do vinho.


Fonte: Diário da Manhã (http://vinhos.me/25UOX)
Por Edna Gomes. Foto: Divulgação.


Comentários