Viticultores da Califórnia negam produzir vinho com alto nivel de arsênico

Los Angeles, 20 Mar 2015 (AFP) - Os principais produtores de vinho da Califórnia rejeitaram nesta sexta-feira uma ação segundo a qual vários vinhos de baixo custo produzidos no estado estão contaminados com níveis perigosos de arsênico.

Apresentada na quinta-feira, a demanda garante que 28 vinícolas do estado do oeste dos Estados Unidos, sabendo que violam a lei, produzem vinho contaminado com arsênico e escondem a informação do público.

O Instituto do Vinho, que representa mais de 1.000 empresas associadas e armazéns, qualificou de enganoso o processo aberto em Los Angeles. 

"Embora não tenhamos conhecimento do conteúdo do processo, acreditamos que esta acusação é falsa e enganosa, e que todos os vinhos vendidos no mercado norte-americano são seguros" e livres de risco, informou a instituição em um comunicado.

"O arsênico é frequentemente encontrado no meio ambiente natural, ar, solo, água e comida. Não há nenhuma pesquisa que mostre que os valores encontrados no vinho representam um risco para a saúde dos consumidores", acrescentou o instituto.

A ação cita um teste realizado por um laboratório com sede em Denver feito com mais de 1.306 vinhos diferentes, que encontrou em 83 deles níveis perigosamente elevados de arsênico inorgânico.

As 28 vinícolas acusadas "produzem e comercializam vinhos no mercado que contêm níveis perigosamente elevados de arsênico inorgânico, em alguns casos até 500 por cento ou mais do que é considerado o limite aceitável" de consumo diário, destacou a denúncia.


Fonte: UOL (http://vinhos.me/zEXsL)
Foto: Divulgação


Comentários